janeiro 19, 2005

A ordem natural das coisas

Há certas coisas que deveriam ser, por leis da natureza, imutáveis.
O Inverno deveria ser sempre frio e chuvoso e o Verão quente, por exemplo. Assim saberíamos com o que contar.
Um pai também não deveria ter que passar pela provação de ver morrer um filho; ou uma mãe , no dia em que faz anos, ter de enterrar alguém que fez nascer; ou ainda uma mulher grávida sentir o seu filho mexer dentro do ventre enquanto quem o gerou se apaga para sempre e depois ter que explicar, a duas criaças de oito e cinco anos, porque é que nunca mais vão poder ver o pai.
Não é esta a ordem natural das coisas. Mas a Vida, às vezes, prega-nos partidas destas.

E há que aprender a seguir em frente e ajudar a fechar as feridas de quem sofre mais do que nós, por muito grande que seja a nossa dor. Porque com essa, nós sabemos lidar. Com as recordações, os sorrisos, as brigas, as esperanças, as alegrias.

Que a ansiedade da doença, o pulo de coração de cada vez que o telefone tocava, o ver de dia para dia o sofrimento aumentar, esses acabaram. Pelo menos, em relação a ele.

Adeus, meu querido. Gosto muito de ti. Sempre gostarei.


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial